Header Ads

Últimas Notícias
recent

Em plena luz do dia, prostituição domina bairro em SP

   

“Quando anoitece tem que ficar dentro de casa, é impossível sair. A cada esquina que você passa tem um que mexe com você.” O lamento é de uma moradora do Jardim Paraíso, na Zona Norte de São José do Rio Preto (SP). O bairro, onde moram mais de duas mil famílias, foi dominado pela prostituição e pelo tráfico de drogas.
Prostitutas e travestis seminus desfilam pelas ruas, às vezes em plena luz do dia. Em uma barraca, drogas são vendidas como se fossem doces.
Os moradores têm de lidar com essas questões há 20 anos. “É uma violência para as crianças, não só para elas, mas para o cidadão. Todo mundo tem direito de sentar em uma calçada, na varanda, e eles estão privados pelo que acontece no local”, afirma Suzana Quintana, presidente da OAB em Rio Preto.
A equipe do TEM Notícias passou um mês no bairro, tempo suficiente para mostrar o que ocorre nas ruas. Quem comanda o esquema de prostituição e tráfico, segundo as próprias garotas de programa, é um travesti conhecido como Piauí.
O produtor do TEM Notícias se passa por um cliente, interessado em comprar cocaína. A chefe do bordel não estava, mas sempre que sai, deixa alguém tomando conta da casa.
Produtor: Cadê a Piauí?
Mulher: Não está, viajou.
Produtor: Quem está no lugar dela?
Mulher: A Capitu
A facilidade para conseguir drogas e sexo pago é tanta que quem não faz parte do esquema é que tem de se identificar. As famílias que moram no local colocam em frente das casas um cartaz com os dizeres “casa de família”. Muitas ainda sofrem com o som alto das boates à noite.
Nem as ruas ao redor da creche do bairro são preservadas da prostituição e do tráfico. Em um flagrante feito pela reportagem, uma prostituta seminua cruza com uma criança. “Tem de ficar preocupada sim, que ela cresça em um ambiente desse e ache normal. E nenhuma mãe quer isso para uma filha”, diz uma mãe, que não quis se identificar.
O comandante da Polícia Militar de Rio Preto, Luiz Roberto Vicente, afirma que a PM já faz o que pode. “O que a Polícia Militar presencia no local, os delitos, ela toma as providências, prendemos, agora o que incomoda ali é a prostituição. A Polícia Militar não pode prender a prostitutas, mas a pessoa que cria e facilita a prostituição sim, e isso que tentamos fazer”, afirma o comandante.
A presidente da OAB diz que vai cobrar providências do poder público. “Temos de tentar mobilizar entidades de classe para juntas fazer uma parceria para tentar resolver a situação dessas pessoas que estão ilhadas nas residências”, afirma Suzana.
A prefeitura de Rio Preto também pode entrar no rol de entidades a combater esses problemas, já que os bares e boates do Jardim Paraíso só podem funcionar se tiverem alvará. O Executivo disse que os responsáveis pelo levantamento dessas licenças estão em viagem.

Tecnologia do Blogger.